Resultados orçamentais de 2016 são mérito de orçamentação responsável e execução rigorosa


“Sabemos que as contas do défice não só bateram mesmo certo, como o défice, confirmado hoje pelo ministro das Finanças em audição neste Parlamento, não será superior a 2,1% do PIB”, congratulou-se o vice-presidente da bancada do PS João Galamba, durante as declarações políticas em reunião plenária.

João Galamba alertou os partidos da oposição de que não se trata de um “milagre, é mesmo trabalho sério e trabalho rigoroso”, uma vez que os resultados do défice “são muito melhores do que aquilo que foi previsto e julgado possível por todas as instituições nacionais e internacionais”. “Compreende-se o espanto e aceita-se a incredulidade”, ironizou.

O deputado socialista lembrou que, “como confirmam as previsões de inverno da Comissão Europeia, divulgadas há dias, sabemos que os défices previstos para 2016, 2017 e 2018 permitem a saída folgada de Portugal do Procedimento por Défice Excessivo”. Ora, trata-se de “excelentes notícias para o país e para todos os portugueses”, mesmo “não sendo as notícias que a oposição esperava”.

Quanto à estratégia seguida pelo Executivo, “não só não foi a calamidade tantas vezes profetizada, como foi o seu exato oposto”. “Os resultados de 2016 são a confirmação de que a credibilidade reclamada por este Governo e pelas políticas que implementou é inteiramente justificada”, defendeu.

Segundo João Galamba, “quem precisa de um plano alternativo – não B, mas Z – é a oposição, que emigrou da realidade e encontra-se hoje alienada do país”.

O deputado do PS deixou, ainda, uma sugestão ao PSD e ao CDS: “Olhem para os factos, aqueles que juravam ser impossíveis, e, como fez a Comissão Europeia, tenham a humildade de reconhecer que erraram”.