Carlos César: Portugal vive “um momento de luto nacional” devido a incêndio “com proporções sem paralelo”


O presidente do PS considerou hoje que Portugal vive “um momento de luto nacional” devido ao incêndio “com proporções sem paralelo” em Pedrógão Grande e outros dois concelhos e sugeriu que se faça mais tarde uma “avaliação adequada do que aconteceu”.

Em declarações prestadas no Porto sobre o incêndio que provocou pelo menos 57 mortos, Carlos César disse que agora é tempo de “cerrar fileiras para socorrer os que precisam de auxílio no imediato”.

“Haverá um momento posterior em que será importante ajudar os que foram prejudicados nos seus bens, os que ficaram em situação difícil pela morte de familiares e proceder a uma avaliação adequada do que aconteceu”, afirmou.

Para Carlos César, “este é um momento de grande consternação e tristeza, um momento de luto nacional”.

“Portugal tem sido fustigado com frequência por incêndios com consequências nefastas, desta vez atingindo proporções sem paralelo”, disse.

Questionado sobre se a dimensão e consequências do incêndio em Pedrógão deve levar a uma reflexão mais profunda sobre os fogos florestais, o socialista notou que “essa avaliação deve ser sempre feita, porque há uma aprendizagem constante e todas as situações são diferentes”.

“Penso que essa análise e avaliação são atitudes constantes da Proteção Civil, mesmo nos casos em que as consequências não são tão nefastas ou infelizes [com as do incêndio em Pedrógão Grande]”, observou.

De acordo com Carlos César, Portugal tem “melhorado muito, nos últimos anos, o dispositivo de combate aos incêndios florestais”, mas tem de melhorar “quer no plano preventivo, quer no do combate operacional.