“Aqui em Fafe há só uma candidatura do PS, a do Raul Cunha”


António Costa, na apresentação da candidatura de Raul Cunha em Fafe, afirmou que “em Fafe há só uma candidatura do PS, a do Raul Cunha” e que “Portugal é de todos e tem de ser para todos” afirmou o líder nacional socialista.

António Costa discursou hoje na apresentação da candidatura do PS naquele concelho, que se realizou no Jardim do Calvário, à qual assistiram algumas centenas de apoiantes da recandidatura a um segundo mandato de Raul Cunha.

O secretário-geral do PS afirmou de seguida que o país está melhor em termos económicos, mas há que ter a humildade de corrigir os erros cometidos, numa alusão à questão dos fogos florestais.

“Hoje o nível de confiança dos consumidores está ao nível mais alto de sempre. E essa confiança é um bem fundamental. Mas o facto destes dados serem bons e demonstrarem que o país está melhor, não pode fazer com que percamos a humildade de saber que, mesmo quando o pais está melhor, há erros que se cometem e há que ter a humildade de os saber corrigir”, afirmou.

Discursando em Fafe, o líder socialista acrescentou que, “mesmo quando o país está melhor, há sempre imprevistos, há que ter a humildade de saber enfrentar. Mas quando esses imprevistos surgem, a atitude correta não é a de demissão, a atitude correta é a determinação para os enfrentar e para o vencer”.

Para António Costa, as prioridades face às “situações dramáticas das últimas semanas” são “socorrer quem precisa de socorro, apurar todas as responsabilidades para que tudo fique esclarecido, reconstruir aquilo que é necessário reconstruir, mas, sobretudo, evitar que isto volte a acontecer, porque não podemos aceitar que isto volte a acontecer”.

O secretário-geral do PS disse, também, que o que é necessário é “resolver os problemas” e não “aproveitar politicamente dos problemas”.

Raul Cunha agradeceu a “coragem, paciência e dignidade” da secretária-geral adjunta

Raul Cunha elogiou “a abertura de espírito e de colaboração de Parcídio Summavielle” e dos independentes, nesta solução que disse ser de estabilidade para o concelho.

“Um louvor e agradecimento a Parcídio Summavielle pela capacidade de ver mais longe e de não ficar refém de questões antigas”, destacou o presidente do executivo. O autarca recordou, por outro lado, que era seu desejo regressar ao exercício da sua profissão de médico no final deste mandato e que aceitou recandidatar-se na sequência de muitos apelos para que se desse continuidade ao projeto iniciado em 2013.

“Entendi este desafio como um voto de apoio e confiança nas propostas que apresentamos”, declarou, frisando que o trabalho realizado no mandato “merece uma análise positiva da maioria dos fafenses”.

“Prometemos, cumprimos, posso dizer de cara levantada”, declarou, depois de ter enunciado um conjunto de realizações do executivo e reafirmado a boa condição financeira da autarquia.

Raul Cunha também agradeceu a “coragem, paciência e dignidade” da secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, no processo em que a direção nacional avocou a escolha do candidato socialista em Fafe, contra a vontade da concelhia e da federação distrital de Braga.

Manuel Pizarro, líder da Federação Distrital do Porto do PS e candidato à Câmara do Porto, assistiu na primeira fila dos convidados.