Governo vai avançar com cadastro florestal e investir nos sapadores


O primeiro-ministro, António Costa, disse hoje que o Governo “vai mesmo avançar” com o cadastro florestal, investindo ainda no aumento das equipas de sapadores florestais.

O primeiro-ministro diz que é fundamental o papel dos sapadores florestais na prevenção dos incêndios. Em Oliveira do Hospital, António Costa anunciou que já foram criadas 20 novas equipas mas a meta é chegar às 500 em 2019

Para além do aumento das equipas de sapadores, “O cadastro vai mesmo ser feito”, afirmou António Costa, no concelho de Oliveira do Hospital, na cerimónia de apresentação das novas equipas de sapadores florestais, em que também foi assinalado o 10º aniversário da criação da primeira Zona de Intervenção Florestal (ZIF) do país, a ZIF do Alva e Alvoco.

Segundo o primeiro-ministro, “há décadas que todos os governos têm medo de avançar com o cadastro”, mas o actual executivo está determinado a promover a sua realização.

Defendeu também que o trabalho das equipas de sapadores “é absolutamente essencial” para a protecção da floresta portuguesa, o que levou o Governo a “descongelar o programa” dos sapadores florestais, que estava parado desde 2009.

“A chave é limpar a floresta a tempo e horas”, com os sapadores a fazerem esse trabalho durante o inverno e reforçarem a vigilância no verão, disse António Costa.

Ao mesmo tempo, o Governo, que conta com apoio de todos os partidos da esquerda parlamentar — PS, Bloco de Esquerda, PCP e Verdes — avançará com “uma grande reforma florestal” necessária “para o futuro do país”.

Independentemente de essa reforma “só produzir efeitos a médio prazo”, há razões “para não adiar mais aquilo que foi adiado”, acrescentou.

Para António Costa, importa que a floresta, em Portugal, “seja cada vez menos uma ameaça” para as populações, a economia e o ambiente.