“Nós conseguimos a redução do défice apesar da despesa com a saúde ter aumentado 5.5%”


António Costa afirmou hoje, no debate quinzenal, e em resposta a uma pergunta de Catarina Martins, que “Nós conseguimos a redução do défice apesar da despesa com a saúde ter aumentado 5.5%”.

O Primeiro-ministro respondia a uma questão colocada por Catarina Martins, passando depois a detalhar que esse aumento da despesa se traduziu “ao longo destes dois anos, em mais 2000 novos médicos no Serviço Nacional de Saúde; em mais 2800 novos enfermeiros no Serviço Nacional de Saúde; em mais 200 novos técnicos de diagnóstico no Serviço Nacional de Saúde; em 600 novos trabalhadores de categorias diversas no Serviço Nacional de Saúde”.

O Líder do Executivo continuou relembrando que este aumento significa “que 92% dos portugueses no final do ano passado já tinham médico de família”, que “houve um aumento das consultas médicas nos Cuidados de Saúde Primários de mais de 462500 consultas”, que “nas consultas hospitalares houve mais 142800 e que houve mais 20300 cirurgias no Serviço Nacional de Saúde no ano passado”.

“E responderia mais. Foi com isto que lançámos um conjunto de investimentos que estão a ser efetuados. Investimentos que aumentaram Unidades de Saúde Familiares; investimentos que aumentaram em 1480 as camas de cuidados continuados, a ampliação e a remodelação de novos blocos operatórios no Hospital da Figueira da Foz, no Centro Hospitalar de Trás-os-Montes, na clínica hospitalar de Bragança, na construção do Centro Hospitalar de Vila Nova Gaia”, afirmou António Costa